A deputada Dirce Heiderscheidt (MDB) tomou posse na Assembleia Legislativa na sessão ordinária desta quarta-feira (7). Ela vai ocupar por 60 dias a vaga do deputado Fernando Krelling (MDB), que pediu licença por motivos particulares pelo mesmo período.

Dirce Heiderscheidt é a primeira suplente da coligação Mais por Santa Catarina (MDB-PSDB) e obteve, na eleição de outubro de 2018, 32.332 votos. A parlamentar, que representa a região da Grande Florianópolis, em especial o município de Palhoça, retorna à Alesc, onde esteve nas últimas duas legislaturas.

“Quero agradecer a família, que acredita na esposa, mãe e avó que gosta de fazer política. E agradecer de modo especial ao deputado Fernando Krelling e à Bancada do MDB pela oportunidade. Gratidão ao generoso tratamento sempre dispensado nessa Casa pelo presidente Julio Garcia (PSD) e todos os demais colegas”, disse Dirce Heiderscheidt no discurso de posse. “É um período determinado, em princípio, mas servirá para que eu continue minha jornada, com especial atenção para a área social. Um momento especial, em que muitas mulheres buscam o espaço na política, nas eleições municipais.”

Nos 60 dias em que permanecerá no Parlamento catarinense, a deputada pretende trabalhar principalmente com as demandas de sua região e em favor das mulheres. Ela enfatizou que é a segunda vez na história da Assembleia Legislativa que seis mulheres têm espaço no plenário como deputadas ao mesmo tempo, que passa a contar agora com uma bancada feminina composta pelas deputadas Ada de Luca (MDB), Luciane Carminatti (PT), Ana Caroline Campagnolo (PSL), Marlene Fengler (PSD) e Paulinha (PDT).

Dirce Heiderscheidt é assistente social e natural de Ituporanga, no Alto Vale do Itajaí. Foi eleita deputada em 2010 com 35.997 votos. No ano seguinte foi segunda secretária da Mesa Diretora da Alesc. Em 2014, disputou novamente uma vaga no Parlamento e, com 15.234 votos, obteve a primeira suplência.

São de sua autoria as leis que instituem o Agosto Dourado, Outubro Rosa e Novembro Azul, que intensificaram ações voltadas à saúde da mulher e do homem catarinense. Também aprovou a lei que regulamentou o Disque 180, essencial para as denúncias de violência contra a mulher.