Pressões do STF e do Congresso, no entanto, ainda não foram superadas, na avaliação do Palácio do Planalto, que busca superar a crise

Após reunião com o ministro da Educação, Abraham Weintraub, nesta segunda-feira (15) e demais ministros palacianos, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decidiu manter Weintraub como titular da pasta.

O Planalto, no entanto, ainda considera que as pressões do STF e do Congresso pela demissão ainda não foram superadas e estuda uma saída para a crise.

A trajetória de Weintraub à frente da pasta acumula desgastes por conta de declarações polêmicas. A participação do ministro nos protestos deste domingo (14) na Esplanada foi considerada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) como a gota d’água.