Novos tempos dão espaço para as festas juninas on-line e preservam a multiculturalidade das regiões brasileiras

De norte a sul do Brasil, o mês de junho é tradicionalmente marcado pela segunda maior celebração popular brasileira: a festa junina. Em virtude da pandemia provocada pela covid-19 e as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), que sugere a suspensão de eventos, não será possível realizar neste ano as grandes festividades culturais. No entanto, o clima junino não precisa deixar de existir, basta usar a criatividade para elaborar uma comemoração temática com as pessoas que moram na mesma residência.

Para evitar aglomerações e resguardar a saúde de todos, muitas famílias se adaptaram ao novo cenário.  A tradicional festa de São João reúne estudantes apenas por vídeochamada, fomentando a cultura e incentivando atividades recreativas para crianças e adolescentes.

As festas juninas vão muito além das quadrilhas e fogueiras. Nas regiões norte e nordeste, as celebrações são mais frequentes e preservam as lendas, os rituais e os costumes religiosos. Já no centro-oeste, sul e sudeste as quermesses, os trajes e até o clima frio de alguns municípios são símbolos atrelados às heranças regionais e caracterizam as festas.

Outra peculiaridade fundamental e que não pode faltar nesta época do ano são as comidas típicas. As delícias à base de milho e amendoim deixam a celebração ainda mais especial. Além disso, cada região do País possui as suas receitas tradicionais. Os arraiás do norte são a base de mandioca; no nordeste muita canjica, pamonha, bolo de milho, pipoca e milho verde cozido. Partindo para o centro-oeste, é comum broa de fubá, cocada e a sopa paraguaia. O sudeste conta com cachorro-quente, churrasquinho, pizza, feijão tropeiro, bolinho caipira e o famoso pão de queijo. Já no sul tem destaque o quentão, o cri-cri e o pinhão.

Para não perder a tradição, o que conta é reunir a família e fortalecer os laços afetivos. Além de poder aproveitar o tempo com os familiares, ainda dá para produzir bandeirinhas e balões. Com uma decoração simples, o espaço já ganha um novo conceito. Vale também explorar os estilos musicais que vão desde o forró até o sertanejo raiz. E, quem quiser ir além, pode investir nas danças de quadrilhas juninas.

O gerente do Fort Atacadista,  Ederson Fiorese, destaca que manter o espírito junino durante esta fase, na qual não é possível aglomerar pessoas, é essencial para preservar os valores culturais. “A festa junina é uma celebração típica, e mesmo vivenciando este momento preocupante, precisamos envolver a família em uma programação diferente. Portanto, é uma oportunidade manter essa essência e mostrar o significado das tradições, principalmente para a crianças. Além de uma forma de entretenimento, diversão e alegria”, afirma.

Para que a festa fique completa a internet traz várias opções de músicas para embalar o clima de São João. Algumas dicas interessantes e que com certeza farão a alegria da criançada são: Noite de São João, Festa do Interior, Pula Pipoquinha, O Balão Vai Subindo, Pula a Fogueira, Capelinha de Melão e Chegou a Hora da Fogueira. Afinal, em casa também é possível festejar!

MB Comunicação Jornalista Responsável – Marcos A. Bedin – MTE SC 00085-JP